Segunda-feira, 26 de Março de 2012

Zita

Sei que uma pessoa, ao ler este texto vai chorar. Sei que outros ao lerem não irão entender. Mas sei que estas palavras tinham de ser escritas.

Pode-se amar um animal como se ama uma pessoa. Passa a ser parte da família. Ela funciona integrando o animal. Condiciona-se a ele. Age-se em função da sua existência e das suas necessidades. Por isso, quando esse animal parte, deixa a mesma dor e o mesmo vazio. Sei isso porque haverá sempre um lugar vazio deixado por uma pessoa e sei-o porque o vazio que um animal (hoje) deixou, provocou a mesma reação de perda.

 

Há algum tempo que não choro. O choro, como o riso, faz parte da vida, das emoções que regulam o comportamento. Expressam sentimentos, por isso, chorar deve ser tão aceite socialmente como o sorriso. Por vezes, interrogo-me se a sensibilidade me abandondou. Como é possível recordar a perda vivida e não chorar? Quem já passou por situações semelhantes (e ainda bem que não é a norma, mas a execção, embora existam milhares por esse país fora, mas se evitem, como se evitar as tornassem menos reais, como se falar delas normalmente fosse algo de anormal), dizia eu que, quem já passou pela perda de alguém muito querido, sente, por vezes, culpa de continuar a sorrir e sorrindo questiona-se sobre se a normalidade não seria o estado choroso, em permanência. Cada um lida com as perdas o melhor que consegue, porém o tempo de luto é fundamental. Aceitá-lo é necessário. Mais ou menos imediato, mais ou menos prolongado, com as reações que melhor ajudem a reencontrar o equilíbrio; porque o equilíbrio é a chave da própria sobrevivência.

 

Hoje chorei. Não muito, mas foi inevitável. Outra pessoa está inconsolável. Sei o que é. Vai ser necessário tempo para que a vida reencontre o seu equilíbrio e, pouco a pouco, a perda não se sinta de modo tão violento. Irá sempre ficar a saudade. A recordação dos olhos brilhantes, das brincadeiras, da interação, da inteligência e do afeto.

O cão, como nenhum outro animal estabele uma relação quase humana com os donos e estes passam a percecionar o animal como um elemento da família. Ridículo? Não para quem entendo o que digo.

 

A Zita era uma rafaeira, arraçada de podengo. Encontrada numa lixeira, abandonada, quando era um bebé minúsculo lembrando um cão "a pilhas". Cresceu numa família que a adotou. Foi uma cadela feliz. Amada. Mimada. Cuidada. Hoje morreu. E é essa morte que é chorada.

Os animais sentem a falta das pessoam a quem se dedicam e as pessoa sentem a falta do animal a quem dedicaram uma vida de afeto.

 

À Zita (pode-se homenagear um animal? Não importa a resposta.) uma homenagem, neste post, de carinho por ti, cadela "estúpida" e aos teus donos que te querem muito.


Desabafos de alemvirtual às 22:29
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
4 comentários:
De Ana Pereira a 26 de Março de 2012 às 23:46
Não chorei, mas li com comoção porque... tu sabes! E de facto, um cão é um elemento da família, faz parte de nós, está entranhado, e perdê-lo...

Um beijinho Paula


De Orlando Duarte a 27 de Março de 2012 às 12:31
Olá, Ana.

Como nós (eu e a minha mulher) entedemos perfeitamente esse estado de alma. Depois de perdermos o nosso "Cadete" após 11 anos de muita partilha e reciprocidade...

Beijinhos!

Leonor e Orlando Duarte


De alemvirtual a 27 de Março de 2012 às 21:43
Há muito tempo que não nos vemos, Orlando e Leonor... a ti também, Ana, mas temos falado mais amiúde.

Beijos aos 3.

Basta pensar na Fiona (e em tudo quanto têm partilhado comigo) e no Cadete para...vocês sabem...

Este ano, Corrida ao Lusco Fusco? :-)))


De Ventor a 8 de Setembro de 2012 às 11:42
Quem não gosta dos animais, também não poderá ser muito amigo de pessoas. Se houver amizade, não passará de uma amizade "tinhosa". Quando se gosta deles, não haverá ninguém que não chore. Só há um processo que leva o animal a não gostar do dono. É quando é muito mal tratado e, mesmo assim é difícil ver um animal ser indiferente a seu dono ou aos seus amigos. Não é vergonha nehuma chorar por um animal que nos adora e que sabemos que eles só nos têm a nós e eles sabem isso. Eu fui criado na companhia de animais e ainda hoje os tenho todos registados no meu cérebro. Quantas vezes a amizade dos animais vale mais que as amizades deteoradas das pessoas. Eles são puros!


Comentar post

Pedaços de mim


Sou...

Outras almas amigas

. 10 seguidores

pesquisar

 

Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desabafos...

A minh´alma não é mais qu...

Zita

Silêncio da noite

Uma gaiola como tantas ou...

As minhas preocupações pa...

Missa em memória da Marga...

Memórias - Margot

Mais perto do céu

Mensagem para uma noiva

Quando a saudade bate

Outras páginas de vida...

Janeiro 2014

Março 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

SAPO Blogs

subscrever feeds